segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Pele De Nuvem


PELE DE NUVEM

Felicidade
estado durável da plenitude
O equilíbrio entre o defeito e a virtude
Ausentam-se os sofrimentos... a inquietude
Felicidade
superação do desejo
em todas as suas formas
tranquilidade plena
atividade positiva
Felicidade plena
desenhada de qualquer forma
pele de nuvem viva
Felicidade
uma terceira via
criada por duas vidas, dois lados
Felicidade suprema
é amar e ser amado...

Marcelo

Futuro incerto

Geniais, quase monumentais
As noites de lua
poesia na rua
O acorde que sai normal
vida que segue a toa, na boa....

sábado, 1 de setembro de 2012

Os Gubert's de Osório

Vó Dulcy, seus filhos e netos genros e noras. 91 anos....
Saudades de te ver cozinhar, da olhada na porta do quarto
pra ver se estava tudo bem antes de ir se deitar....
Conta a lenda que houve uma disputa entre os pais da Dulcy e do Ruy pelo cartório de Maquiné ou barra do Ouro, não chequei ao certo.
O pai do vô Ruy o perdera para o pai da vó, pois esse tinha uma vida meio conturbada. Sumia por dias, voltava com argila arrancada do morro para fazer tintas. Trancava-se por outros dias em um quarto a confeccionar tal alquimista suas cores. Coisa de doido? Artista eu diria.
Mas enfim, Dulcy tem um romance com o filho do concorrente do seu pai. Ele então a leva embora pra Rolante. Ruy vai em sua busca. O pai de Dulcy lhe entrega a garota, mil contos de réis e um pouco de louça. Os dois retornam a Maquiné, iniciam sua vida de casados e em 1961 mudam-se para Osório. História de filme. Mas é o início da história dos Gubert's de Osório. 

terça-feira, 24 de julho de 2012

Campanha eleitoral


Chegou a hora dos candidatos e partidos proporem suas soluções para os problemas da cidade.
É isso mesmo que acontece?
O que vejo são panfletos poluindo as ruas e dormindo no vidro do meu carro, carros de som com músicas bagaceiras parodiadas com muito mal gosto a toda a altura pelas ruas, não respeitando escolas e hospitais, candidatos pedindo apoio por amizade, troca de favores enfim, uma porção de nada elevada ao quadrado.
Então amigos, estou a procura de um candidato a vereador visite as corporações e associações, que converse com o eleitor na rua ao invés de lançar folders por aí, que proponha a redução de metade do salário dos vereadores ou ampliação para 40h de trabalho exclusivo na Câmara e que se proponha a realizar plenárias para junto ao seu eleitor decidir sobre o que será votado nas sessões;

Grato pela atenção.  

segunda-feira, 11 de junho de 2012

O Pirata Heitor

O pirata Heitor vinha se comunicando com a galerinha do 2° ano desde abril. Após encontrarem o baú das palavras e terem noções de escrita, separação sílabas e localização geográfica, estava mais que na hora de receber essa visita.Parabéns para as Profs Florentina e Paola.
Abraço pra todos!!!

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Os donos da rua



O trânsito em Osório anda caótico. Dizem que em todo lugar está assim porém, ao andarmos por qualquer outra cidade, percebemos que nós, motoristas daqui, somos mal educados e individualistas.
Não damos sinal para dobrar. O motorista que vem atrás, os ciclistas e pedestres e o cara que está logo na frente esperando você passar para seguir que se danem. Saímos do meio fio onde estávamos estacionados a hora que dá na telha. Não interessa se vem ou não carro, bicis ou o que for. Também não sinalizamos essa manobra.
Por falar em bicicleta, é lamentável vermos pais com seus filhos na garupa andando no meio da rua ao invés de se utilizarem da ciclovia construída para dar-lhes segurança.
Fui e serei sempre a favor das sinaleiras que estão sendo providenciadas por aqui. Sinaleira dá uma organizada no transito. Mas é necessário que se aumente o tempo de sinal aberto. Pelo menos até que uns e outros percebam que, em nome da coletividade, o ideal é deixar o carro na 1° marcha e assim que o verde brilhar seguir em frente sem amarração. Precisamos de fluxo.
Carros estacionados em faixa amarela, no meio da via, atrás dos carros que estão no obliquo, “é só por um minuto”, dar balão em plena Costa Gama às 6h da tarde, entrar contra mão por que não vem carro, não parar nas placas de PARE indo em segunda até o meio da pista preferencial, sair da Getúlio Vargas e entrar reto na Evisa, enfim, cada um se permite dar uma erradinha e juntando tudo é uma sucessão de erros a cada esquina.
Claro que as obras em diversas ruas da cidade estão nos deixando sem paciência, sem pneus, sem amortecedores e sem carro limpo. É claro que precisamos desviar de 50 crianças de skate a cada quadra. Mas é claro também que não respeitamos as leis por que o outro também não respeita. É claro que não temos argumentos para sustentar nossos erros. Precisamos mudar.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

A cama que não havia



Dormia no sofá sonhando deitar em uma cama. A rotina o doutrinara ao sono interrompido, várias vezes, partido em metades e terços que já não entendia mais o que era a noite.
O Sol aparecia entre os fios da cortina clara, não era hora ainda de abrir os olhos, mas quem avisaria o Sol para que acordasse mais tarde?
Ninguém....
O pão, a roupa, o café e os sonhos cortados ao meio, o jornal sempre pouco, sempre lógico, sempre longe do que se queira ler.
O caminho para o trabalho, os horários, o intervalo de atividades, a volta, a ida, a volta, a ida, a vida dividida entre coisas e mais coisas pra fazer.
Onde estaria o tempo livre, onde estariam as horas vagas, os jornais com notícias interessantes, o café da manhã reforçado, os beijos demorados e apaixonados...?
Creio que perdidos numa outra dimensão, onde todos possuem uma cama.

Marcelo Poeta

O Teatro Mágico DVD - Realejo

sábado, 14 de abril de 2012


domingo, 8 de abril de 2012

Destinos

Onde colocar fora?
Em qual fora colocar?
As lâmpadas que queimam
Os galhos que caem das árvores de casa
As pilhas usadas
Os livros didáticos de Eras passadas
O computador que já foi pro lado de lá
O ferro antigo, a panela, a cadeira de praia
O cd regravável que não roda mais
A polícia, e a política corrupta
A grama cortada, varrida e ensacada
A crítica abrupta, o obrigado sem ganhar “de nada”
Onde jogar fora o óleo
O celular velho e a bateria
O guarda chuva sem lona
O pesadelo, a barriga e o sofá
Onde jogar fora
Conceitos antigos
E as dores no joelho que teimam em me amar
Onde jogar fora o lixo
Meu lixo e o de cada endereço
O ventilador, o “eu não mereço”
A dor e a cor do céu tão cinza
A chuva que empoça e não evapora
Onde jogar fora os dias sem meu amor?

Marcelo Poeta

sábado, 7 de abril de 2012

Páscoa no Cônego Pedro




Por essa ninguém esperava. Aproveitando-se das férias prolongadas do Coelho da Páscoa, o guloso Lobo Mau decide dominar a fábrica de chocolates e ficar o ano todo sem precisar gastar na Cacau Show. O que ele não esperava é que o Coelhinho do ano passado voltaria e, aliado a Chapeuzinho Vermelho bolariam um plano para salvar a Páscoa da Escola Cônego Pedro Jacobs.
Uma boa Páscoa para todos!!!!!
* Participaram da peça a Diretora Patricia, os professores Claudete e Marcelo e Paola como Chapeuzinho Vermelho.
* Texto: Marcelo, Claudete e Patricia;
* Cenário: Marcelo e Patricia;
* Produção audio visual: Ariele

terça-feira, 27 de março de 2012

Banhos de Abril


Frente fria, outono...
Vem arrumar a casa
Para o inverno aconchegar
Bergamota, laranja, limão
Imunidade à humanidade
Creme para o corpo, para as mãos
Já é frio, já é frio...
Que venha o Abril
É com roupa o banho de mar
Pés gelados na areia
A onda é mais que meia
mas clareia meu pensar.

Marcelo Poeta

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Minha donzela

Clareia, luar na janela
Luar de meio dia
Lagoa, sobre a passarela
Minha atenção é dela, só dela...
Aos punhados de vozes
De silêncios cheios de sopros
Sem noção de muito ou pouco
Na verdade eu só queria me curar
Das feridas ontem nascidas
Não entendo muito da vida
Nem as vezes repetidas
Que tu brigas num piscar...

...de olhos
De uma hora para outra
De donzela vira louca
E promete me deixar
De donzela vira louca
E promete me deixar

Marcelo Poeta

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Obrigado


Obrigado pelo dia
Pelos dias...
Pela paz que carrega nas mãos
Pela companhia na beira de praia
Pelas caminhadas em busca do bem estar
Ou em busca de estar com o bem
Obrigado pela água gelada
Nas horas de boca seca
Por dividir chocolate
Por esperar nos dias de atraso
E por atrasar tua raiva
Transformando em conversa
O que seria uma briga
Obrigado por estar
Por ficar
Por morar aqui, no meu coração
Nos meus minutos
Nos meus sonhos
Nos meus desejos
No meu beijo
Nos meus olhos
E na minha vontade
De que amanhã ainda me ame.

Marcelo Poeta

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Projeto Sala Verde Vai a Praia

Convite

As secretarias municipais de Meio Ambiente e Gestão Urbana e de Educação, através da Biblioteca Pública Fernandes Bastos, convidam para abertura da terceira edição do projeto Sala Verde Vai à Praia, no balneário de Atlântida Sul
DIA: 04/01/2012
HORÁRIO: 17 HORAS


Local: NUAC (Av. Paraguassú, 576- Atlântida Sul – Osório/RS)




O Projeto Sala Verde Vai a Praia tem como objetivo promover a educação ambiental durante o veraneio por meio de ações lúdicas como exposições, contações de história, jogos, sessão de filmes e sala de leiturae empréstimo de livros. As atividades ocorrem de 4 de janeiro a 17 de fevereiro, de quartas as sextas-feiras das 16h às 20h.

Mais informações na Secretaria de Meio Ambiente ou na biblioteca pelos telefones 3663 1947 ou 3663 7440. Confira abaixo a programação do projeto da Sala Verde:



PROGRAMAÇÃO
Coletores de resíduos:
Traga o óleo vegetal usado em garrafas PET para depositar nas bombonas.

Permanente: Sala de Leitura, Exposições das ações de educação ambiental e conservação da natureza, empréstimo de livros

Quartas-feiras 16h – Oficinas

11/01: Reciclagem: Confecção de Sacola Ecológica
25/01: Confecção de Sementeira de garrafa Pet & Plantas Medicinais: Da Planta Ao Medicamento
08/02: Artesanato: Confecção de Sabonetes
15/02: Reciclagem: Confecção de Sabão Líquido à base de óleo vegetal usado

Quartas-feiras 19h – Sessão de vídeo
04/01: Fulaninho, o cão que ninguém queria (público infantil)
11/01: O gato como ele é (público infanto-juvenil)
18/01: Perigo no caminho das tartarugas (público infantil)
25/01: Criando um amigo (público infanto-juvenil)
01/02: Sid Sementinha (público infantil)
08/02: O gato como ele é (público infanto-juvenil)
15/02: Fulaninho, o cão que ninguém queria (público infantil)

Quintas-feiras 18h – Sessão de vídeo

05/01: Vegana (público infantil)
12/01: Rio (público em geral)
19/01: Fulaninho, o cão que ninguém queria (público infantil)
26/01: A história das coisas (público em geral)
02/02: Rio (público em geral)
09/02: Perigo no caminho das tartarugas (público infantil)
16/02: A história das coisas (público em geral)

Sextas-feiras 17h - Contação de histórias
Títulos variados de temática ambiental(público infantil)
Sextas-feiras 18h – Atividades lúdicas (jogos, pinturas, brincadeiras)


Exposição:



04/01 a 17/02 (de quartas a sextas): Ambiente costeiro e marinho - CECLIMAR


Feira de Sustentabilidade Ambiental:

Sábado - 21 de janeiro

Horário: 10h às 21h

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Retroperspectiva



Verão com a família
Drinks e gargalhadas
Atlântida Sul
Surf, guarda-sol
Pé na areia
Aniversário em Garopaba
Poesia ganhando ruas e páginas
Poetas novos surgindo
Troca de idéias
Amor que saiu da infância
E veio morar no presente
Mudanças de rumo
Trabalho em escola
Teatro, poesia, aulas, recreios...
Amigos novos
Armadilhas velhas
Caminhos, são só caminhos
Objetivos, esses sim, os tenho
Quero mais tempo, mais trabalho
Mais crianças, mais salários
Me contento se esquecer das horas
Deito no colo do meu bem
Sorvendo o amor
Para o ano que vem.

Marcelo Poeta

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Natal





Ela me liga. Solicita que eu vá até sua casa. A única exigência era de que eu fosse a pé. Não imaginava o que seria. Calcei meus chinelos e minha roupa surrada e fui ao seu encontro. No caminho, várias possibilidades brotavam em minha mente. O que poderia estar por trás daquele pedido. Levava em mãos uma guirlanda que havia feito na escola. Tratava-se de um arame revestido de uns papéis coloridos e barba de pau. Era o que podia lhe dar. O relógio marcava 16h de um 24 de Dezembro. O ano? Talvez 1993 ou 94...
Entrei no seu pátio e logo a porta da garagem foi aberta. Entrei. Lá estava ela, a bicicleta que me dava, e eu, de boca aberta e olhos arregalados, não acreditando naquilo tudo que estava vivendo.
Minha Dinda, emocionada, ainda queria saber se eu tinha gostado.
Até hoje eu não sei. Não sei se gostei mais do presente ou de sentir aquele carinho imenso.
Só sei que esse carinho, esse carinho é o Natal.

Marcelo Poeta

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

O clichê da onda

O primeiro dia, do resto de minha vida. Clichê pra caramba né?? Nem tanto.
Hoje tive um dia bem complicado. Mas nada muito diferente do teu.
Temos que acordar e tomar um banho, fazer café pra todos, colocar a mesa, tirar a mesa, colocar o lixo na rua, levar todos as seu trabalhos e, enfim, começar o nosso serviço;
Meu serviço não é nada complicado. Não é preciso força física, nem lidar com papelada. Meu serviço é educar. É planejar todas as noites uma ou duas palestras na tentativa de orientar um ou dois seres humanos para a lida com as coisas da vida. Por vezes atingimos mais crianças. Em outros, nos sentimos inúteis. Mas mesmo a inutilidade das nossas ações nos dão o acalento do tentar.
Mas não era disso que se tratava o texto. Esse pequeno relato é sobre o mar, a praia e minha vida.
Não lembro bem, mas creio que com uns 9 anos, apesar de já ter freqüentado bastante antes, eu pude interagir com a magia litorânea. Era uma tarde de fevereiro e eu via 3 amigas serem levadas pelo mar. Nós, ali na beira, fitando os salva-vidas realizarem o resgate, orávamos e começávamos a fazer parte daquele todo. Além daquela reza, muitos amores ocorreram ali. Muito tragos, muitos choros, muita pescaria e muitas ondas foram servidas à mim pelo Oceano. Muito do que eu sei hoje, devo ao mar. Muito do que eu não sei também. Sou dos que aguardam a garrafa com a mensagem.
Mas hoje, depois do início de funções, trabalho e volta pra casa no mesmo roteiro, me desloquei à minha Atlântida Sul para um surf. Contei meses sem surfar. A idade e o frio são potenciais inimigos. Mas a saudade era grande. Aquele Elo firmado em 1996, de que éramos um só, de que a onda oferecida me responsabilizaria pelo respeito e dedicação ao que há de bem, aquela sintonia tocou fundo em mim hoje. Não importaria cansaço, temperatura, corrente ou formação que me afastasse do compromisso.
E foi o primeiro dia, do resto da minha vida.

Marcelo Poeta

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Carta para Devlin *

Querida Devlin


Como seus questionamentos são muitos, resolvi abrir uma exceção e encaminho estes esclarecimentos.
Sim Devlin, você eras uma das meninas mais bonitas da escola. Os garotos reparavam em você, inclusive os mais velhos. Você não era tão linda assim. Tinha uma alma mais leve, sorria, conversava sem pretensões e segundas intenções. Lembra?
Acontece Devlin que, com o passar dos anos, você foi criando competitividade em relações que precisavam de cooperação e compreensão. Você foi se angustiando com a felicidade de tuas amigas e com o descobrir de cada uma. Lembre-se Devlin, tem poder aquele em que todos confiam. Tuas amigas confiam em ti? Ou te escondem tudo?
É..., as coisas não andam boas. A infelicidade transborda dos teus olhos Devlin. Aquela coisa de beleza interior existe. Sendo bons, ficamos mais belos. Sendo ruins e invejosos, bom, seu espelho lhe reflete todos os dias.
Há alguma salvação? Nessas alturas dependerás da compreensão de muita gente. E nenhuma delas te conhece mais.
Espero ter te ajudado, aproveitando que ninguém o fez;


Vida.



* Texto de Marcelo Poeta.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O rápto da Fada da Imaginação



As Bruxas Malvada e Maléfica resolveram aprontar. Seqüestraram a Fada da Imaginação deixando os livros infantis sem seus personagens. Chapéuzinho Vermelho, Branca de Neve, Bela Adormecida, Príncipe Encantado e o Lobo Mau, agora a serviço do bem, têm a difícil tarefa de salvar a Fada e o Mundo da Imaginação. Será que as crianças ainda acreditam?

Ficha Técnica:
Texto adaptado: Patrícia Gonçalves e Evanir Osório
Cenário: Marcelo Poeta
Figurino: Patrícia Gonçalves
Produção áudio-visual: Andréia Alloy e Ariele Fontoura
Direção Geral: Escola Cônego Pedro Jacobs
Elenco:
Patrícia Gonçalves como Chapéuzinho Vermelho
Evanir Osório como Fada da Imaginação
Analice Munari Gomes como Bela Adormecida
Eliane da Silva como Branca de Neve
Claudete Brum como Lobo Mau
Ângela Fofonka como Bruxa Malvada
Raquel Curtinove como Bruxa Maléfica
Marcelo Poeta como Príncipe Encantado
Patrícia Freitas como Menininha

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Feliz dia das crianças















Suco de laranja
bananinha e maçã
Não chore agora
Ainda não chegou o amanhã
Chuta a bola que vai sempre perto
Eita garoto esperto
Tira a torneira de molhar formiga
Come chocolate
e vem a dona dor de barriga
Saberá um dia
Que é inútil perguntar “Por quê?”
À adultos cabeça de patê
Pula, corre, atira pedrinha
Se tem água vira festa
E faz a festa quando a vovó dá balinha
Quer ir junto sempre
se faz sorridente ao deitar no “meinho”
Mas que bonitinho.

Marcelo Poeta

Por que não?

Quem vê de fora vê apenas o mar
As pessoas, cadeiras, guarda-sóis
Quem vê por dentro
Vê correntes, ondulação
se integra lento
devagar, divagação
Quem vê por dentro mergulha
toca a água, toca o chão
Faz castelo, desenha na areia
fica mais jovem a cada verão
O olhar interno, reflexão
Ser criança....
Por que não?

Marcelo Poeta

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Das coisas que eu gosto

Gosto do teu cheiro
Gosto das tuas roupas
Gosto da tua boca
E dos teus risos ligeiros.
Gosto de te pegar em casa
Sem saber para onde te levar
Gosto de trocar segredos
de acordar bem cedo
e fazer um café para te esperar
Gosto das tuas roupas
Da tua boca
Do teu colo e do teu riso ligeiro
Gosto da brisa, das ondas
que conduzem nosso veleiro

No trilhar das pernas
os passos montam
nossa vida
e ao mexer os braços
tocamos o ar e fazemos nascer o vento
E ficamos a construir
o que um dia será lembrança.

Marcelo Poeta

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O fim do Sarau




O ano era 2007. Assim como eu, haviam muitos que escreviam seus versos colocando no papel angústias, sensações, frustrações, amores e alegrias. Versos que dormiam em gavetas e pastas cobertas pela poeira que transita por aquilo que não amanhece para os outros.
Unidos pela mesma causa, organizados, conseguimos um espaço e um microfone. Os versos ganharam as noites. Livros, quadros e conversas sobre tudo ali nasceram. A gênese, de alguma coisa que ainda não aconteceu. Ao final de 2009 um ciclo se encerrou. Era preciso novo oxigênio, um novo formato.
Em novembro de 2010, sentado no Baguta Bistrô, acompanhava um banda local. Lembro como se fosse hoje, entre um verso e outro, eu ouvia aquele som e ia construindo a idéia de misturar todas as artes em um evento só.
É difícil organizar algo que não se sabe muito bem no que vai dar. A intenção era a de proporcionar espaço para qualquer manifestação artística. Foram mais de 30 apresentações, em diversas cidades do Litoral Norte do RS, reunindo Poetas, Músicos, Artesãos, Artistas Plásticos, Dançarinos, Atores, Pintores e amantes da cultura. Contando sempre com a colaboração de Delaves Costa, Mário Feijó e Rebeka Alves e Diorge Terra.
Mas o ciclo se fechou outra vez. É época de estudos, preparação e principalmente criação. Criação de novos trabalhos, reconsiderações aos já feitos e organização das particularidades de cada um.
Eu agradeço ao Dado Wienandts e à Gisele Frufrek por acreditarem na magia da vida, suas cores, seus aromas e seus versos escondidos em cada palco. Agradeço ao pessoal que sempre participou e fez cada Sarau conosco.
Abaixo, as composições do Sarau Musical:



Pra onde vai o sonho
Marcelo Poeta/Dado Wienandts

Pra onde vai o sonho
Quando a gente acaba de dormir?
Porque não há seqüência
Se tenho essa carência
De fazê-lo prosseguir?
Pra onde vai o sonho
Quando o dia acaba e tenho que deitar?
Desejos de se ter
De ganhar e de viver
Onde compro? Onde vou morar?

Feliz de quem sonha
Dormindo e acordado

Pra onde vai minha voz
Quando sai de mim e ganha o mundo?
Pra onde foi o dia quando a tarde já caia
Dissolvendo os segundos?

Futuro Incerto
Dado/ M.Poeta/Gi

Genial
Quase monumental
As noites de lua
Poesia na rua
Acorde que sai normal
Vida que segue a toa
Na boa
No clima que eu não sei
Toda cidade tem um Castelo
Mas nem todas têm um Rei
O Sol de traje amarelo
Comprei

Futuro incerto
Cantado no verso de alguém
Menino discreto
Que entre o certo escolhe o porém



Um bocado de amor
Marcelo Poeta

Sou daqueles que voam
solitário e solidário
E costumo caminhar
no meu mundo imaginário
As vezes tudo parece difícil
e tão longe da minha mão
Mas sei que minha casa
é onde encontro a paz, meu violão

Mas onde encontro ela?
A menina que é feita para mim
Doce como a primavera
Cola a boca bela com beijos de sim

Será que as nuvens trazem recados?
Será que o vento te faz me ouvir?
Só sei que de amor eu sei um bocado
e contigo quero dividir.
Divido contigo....
Um bocado de amor.




Me acorde em acordes/ A dissonante
Marcelo Poeta/ Dado Wienandts

A dissonante, um diamante
Entre meus dedos nós
O meu mirante, algo distante
Que ecoa em sóis
Gosto do que me faz pensar, divagar
Nota que mora entre o ré e o lá
Lá onde deixei
Meu laiá laiá, deixar pra lá
Meu laiá laiá, deixar pra lá

É só vontades de metades
Verdades com bondade
Uma vaidade sem fim
Por que eu sou, assim.


Apego ao apelo
Marcelo Poeta Dado Wienandts/ Gi Frufrek

Quantas canetas a caminhar
No papel branco, que é vida
Na busca de explicações
O meu apego virou apelo
Um abandono de sensações
O rio corria, minha paz então nascia
Angústia que morava no meu dia vazou
O rio corria, minha paz então nascia
Angústia que morava no meu dia vazou
Como nas telas de um Portinari
Como nas mesas comuns dos bares

Deixei a tristeza, não estamos sós

O tempo é assim, uma fração, um pedaço
Do que foi bom
Resquícios de uma paixão
A-qua-re-la, em forma de coração
A-qua-re-la, em forma de coração...

domingo, 2 de outubro de 2011

O melhor mergulho

A melhor coisa que há
Os melhores dias que vivi
A felicidade plena
Que sempre persegui
Estão nos olhos de mar
Você guarda no olhar...
Você guarda nos olhos
as coisas mais lindas
paisagens de mares
a areia da praia
por onde gosto de caminhar
Você guarda nos olhos
O alívio da dor
A leveza da moça
a garra e a força
com um toque de amor
você guarda nos olhos
o futuro que eu quero
o abraço e o beijo
meus três desejos são...
estar contigo,
estar contigo
e estar contigo meu coração.

Marcelo Poeta

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Lava a dor

Como faço eu
Para acalmar a ansiedade?
Disfarço a insegurança
Brincando com a vaidade
Sempre que eu tento
Alcançar a serenidade
Eu me vejo como um livro
Lido só, pela metade
Sou lavador de roupa
Cozinho para a casa
Não sou coisa pouca
Um anjo sem as asas
Ciúmes de taurino
Um belo e bom menino
Que a mãe abençoava
Disfarço a insegurança
Brincando com a vaidade
Sempre que eu tento
Alcançar a serenidade
Eu me vejo como um livro
Lido só, pela metade

Marcelo Poeta

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Nosso Acervo



Armandinho - Casa do Sol


Quando chega o entardecer
É impossível não lembrar de você
Dos momentos que juntos passamos ao sol
No temporal você estava também
Ao meu lado,
Na grama,
Na areia de santa num fim de semana
Batendo, na casa do sol
Pra manhã nascer feliz

Quando chega o entardecer
É impossível não lembrar de você
Dos momentos que juntos passamos ao sol
No temporal você estava também
Ao meu lado,
Na grama,
Em paz na pracinha num fim de semana
Batendo na casa do sol
Pra manhã nascer feliz

A melancolia das ondas
Quebrando sozinhas
Sem você
Lembrando teu beijo salgado e pedindo um abraço pra aquecer

Por do sol
Vai lembrar você
Por do sol
Vai lembrar você

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Pele de Nuvem


A felicidade...
estado durável da plenitude
O equilíbrio entre o defeito e a virtude
Ausentam-se os sofrimentos
e a inquietude
A felicidade é a superação do desejo
em todas as suas formas
É a tranqüilidade plena
A atividade positiva
É uma nuvem em forma de algo
É a pele de nuvem viva
A felicidade é uma terceira parte
criada por duas vidas, dois lados
A suprema felicidade
é ter a convicção de que somos amados.

Marcelo Poeta

Primavera




Voaram-se os dias opacos
Meu prato todo decorado de verde
Folhas que dançam a valsa do vento
Aflorando sensações e sentimentos
É deveras difícil calcular valores
Deitado em grama de praça
Rodeado das mais belas flores
Estive esses dias pulando de árvore em árvore
Pisando em areia, admirando Mares
Contando horas que terei de espera
Para o desabrochar do Mundo
Na trilha sonora, os pássaros ao fundo
Primavera, primavera...

Marcelo Poeta

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Nosso acervo


Por você - Barão Vermelho

Por você
Eu dançaria tango no teto
Eu limparia
Os trilhos do metrô
Eu iria a pé
Do Rio à Salvador

Eu aceitaria
A vida como ela é
Viajaria a prazo
Pro inferno
Eu tomaria banho gelado
No inverno

Por você!
Eu deixaria de beber
Por você!
Eu ficaria rico num mês
Eu dormiria de meia
Prá virar burguês

Eu mudaria
Até o meu nome
Eu viveria
Em greve de fome
Desejaria todo o dia
A mesma mulher

Por você! Por você!
Por você! Por você!

Por você!
Conseguiria até ficar alegre
Pintaria todo o céu
De vermelho
Eu teria mais herdeiros
Que um coelho

Eu aceitaria
A vida como ela é
Viajaria à prazo
Pro inferno
Eu tomaria banho gelado
No inverno

Eu mudaria
Até o meu nome
Eu viveria
Em greve de fome
Desejaria todo o dia
A mesma mulher

Por você! Por você!