segunda-feira, 30 de agosto de 2010

A Globalização e a farofa


Hoje a palavra globalização já é utilizada por populares como uma explicação para todas as dificuldades do cotidiano. Chuva, caos, transito, moda, a zaga ruim do Grêmio, etc, tudo é culpa da globalização. Mas o que é a tal globalização?
Globalizar é transpor o teu cotidiano ao outro. É difundir culturas e mais do isso, é a imposição cultura do maior ante o menor. A moda por expemplo. A TV impõe sobre nossos jovens a maneira de vestir. Eu, certa feita, desembolcei R$150 por uma bermuda. É verdade. Uma bermudinha com estampa laranja. O ó... Podia ter comprado dez calçõenzinhos e usar um a cada dia por longos dez dias. Mas não. Queria a de 150 e pronto. Que bestice. Assim como a Fiukização que rola hoje. Coisa feia. Pelo menos a berma de 150 não era colada na coxa.
Agora, o maior crime da globalização foi o de assassinar a farofa. Sim, a farofa de excursão. Fui levar uma turma à uma saída à campo e ao entrar no ônibus perguntei quem estava levando uma farofinha. – Faro o que Psor??
Como assim “Faro o que Psor??” Farofa, com galinhazinha, cebolinha, alhozinho, temperinho...
Fiz uma revista nas mochilas e só encontrei drogas. Balas, bombons, bolachas recheadas, milhopan, Bis... lamentável. Vontade de enquadrá-los no artigo 171, estelionato, pois trata-se de uma falsificação de merenda.
De hoje em diante só terá viagens à campo se alguém levar uma farofa de galinha.

Marcelo Poeta

Um comentário:

jefhcardoso disse...

Vamos globalizar a farofa! (risos)

*Entre o sonho e a realidade eu prefiro a realidade que me permita sonhar. http://jefhcardoso.blogspot.com